Como apoiar o desenvolvimento infantil?

Os dois primeiros passos do guia do Center on the Developing Child de Harvard, publicados nos posts anteriores, permitiram compreender como as primeiras experiências e relações são importantes para o desenvolvimento ao longo da vida. Agora, no terceiro passo deste guia, apontam um conjunto de três princípios e a ciência da resiliência, no sentido de apoiar as famílias e o desenvolvimento das crianças e de maximizar a eficácia de políticas e serviços nesta área.

 

Que princípios?

  1. Apoiar relacionamentos responsivos. Para as crianças, as relações responsivas com os adultos têm um duplo benefício, promovem o desenvolvimento saudável do cérebro e proporcionam apoio e proteção para lidar com o stress. Para os adultos, as relações saudáveis ​​também estimulam o bem-estar e proporcionam suporte prático e emocional, fortalecendo a capacidade para lidar com situações stressantes. Ao apoiar relações responsivas, entre crianças e adultos e nos adultos entre si, estamos a promover o desenvolvimento saudável das crianças, a modelar relações responsivas e a reforçar as competências dos adultos.

  2. Fortalecer competências centrais de vida. Todos nós precisamos de um conjunto de competências para gerir a vida, o trabalho e os relacionamentos com sucesso. Estas competências base são as chamadas funções executivas, que suportam a nossa capacidade de concentração, planeamento e alcance de metas, de adaptação a situações de mudança e de controlo de impulsos. Estas competências são desenvolvidas ao longo do tempo através de treino e prática. Os adultos podem estimular o desenvolvimento das funções executivas das crianças. Políticas que promovam estas competências em crianças e adultos são essenciais para o sucesso académico, profissional, e também parental.

  3. Reduzir fontes de stress. Nem todo stress é mau, mas o stress intenso e contínuo pode causar problemas duradouros para as crianças e adultos, na medida em que a ativação excessiva dos sistemas fisiológicos de resposta ao stress afeta o cérebro e outros sistemas biológicos. Reduzir fontes de stress na família protegerá as crianças direta e indiretamente, pelo que uma abordagem multigeracional para reduzir as fontes externas de stress nas famílias tem duplos benefícios: os adultos serão mais capazes de proporcionar relações responsivas e ambientes estáveis ​​para as crianças, e as crianças podem desenvolver sistemas saudáveis ​​de resposta ao stress e uma arquitetura robusta do cérebro.

 

Então e se não conseguirmos eliminar os factores de stress? Onde entra a resiliência?

As mesmas experiências precoces adversas não têm o mesmo efeito em todas as crianças, sendo que algumas crianças superam melhor as dificuldades e desenvolvem mais resiliência que outras. Uma maneira de entender o desenvolvimento da resiliência é visualizar uma balança. Se existirem fatores protetores (ex. experiências positivas de vida, relações de apoio, competências para gerir problemas, etc.) a contrabalançar e a sobrepor-se aos fatores de risco, com o tempo, o impacto cumulativo destes fatores pode direcionar a saúde e desenvolvimento da criança para resultados positivos.

Imagem de Center on the Developing Child de Harvard

 

Entre os fatores protetores que ajudam a desenvolver a resiliência destaca-se a existência de pelo menos uma relação estável e suportiva com um cuidador, e competências de planeamento, monitorização e regulação do comportamento que permitem que as crianças respondam de forma adaptativa à adversidade e prosperem.

 

Esta combinação de relações de apoio, competências adaptativas e experiências positivas são a base da resiliência. Destacam-se ainda fatores como: a autoeficácia e autocontrolo percebidos; oportunidades para fortalecer as competências adaptativas e capacidades de autorregulação; fontes de fé e esperança; e a experiência de lidar com ameaças possíveis de gerir ​​e com stress positivo.

 

Embora o cérebro e outros sistemas biológicos sejam mais adaptáveis ​​no início da vida, nunca é tarde demais para construir a resiliência. Por exemplo, exercício físico regular, práticas de redução do stress e programas que desenvolvem funções executivas, podem melhorar a capacidade das crianças e adultos para enfrentarem, se adaptarem e até prevenirem adversidades nas suas vidas.

Os adultos que desenvolvem essas capacidades em si podem modelar comportamentos saudáveis ​​nos seus filhos, melhorando assim a resiliência da próxima geração.

 

Em suma, no último passo deste guia, destaca-se a importância das relações responsivas e de apoio (entre adulto-criança e adulto-adulto),  bem como a importância de desenvolver competências adaptativas, de reduzir fontes de stress e de construir a resiliência, tanto nos adultos como nas crianças.

 

 

Traduzido e adaptado de Center on the Developing Child. The Science of Early Childhood Development. Retrieved from https://developingchild.harvard.edu/guide/what-is-early-childhood-development-a-guide-to-the-science/

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

ser parte da história

SER PARTE DA HISTÓRIA é um serviço da associação Caminhos da Infância que tem como objetivo apoiar os pais e outros cuidadores, disponibilizando informação, aconselhamento e formação sobre parentalidade. 

Não se pretendem dar receitas (até porque não existem) mas sim informação e apoio para ajudar todos os cuidadores a ser parte de uma história que não se repete - a da infância. 

quem somos
associação
contactos
posts recentes
Please reload

arquivo
Please reload

quem somos

inês poeiras

  • Grey LinkedIn Icon

Presidente da Caminhos da Infância

francisca carneiro

  • Grey LinkedIn Icon

Diretora do Centro Infantil Maria de Monserratre

joana nunes patrício

  • Grey LinkedIn Icon

Coordenadora Ser Parte da História

Mais do que uma associação, somos um grupo a trabalhar para que a infância seja uma experiência feliz para todas as crianças.

Trabalhamos em parceria e juntamos a investigação à experiência, que é como quem diz,

andamos da teoria à prática e da prática à teoria.

Descobrimos que não se mudam comportamentos só com extensos artigos académicos ou grandes ações de formação.

Mudamos comportamentos quando estamos envolvidos. Quando somos parte da história. E isto fazemos bem.

Contactos

tlf. 21 136 85 14

caminhosdainfancia@gmail.com

Rua Margarida de Abreu, nº4, 1900-362, Lisboa

  • Facebook - White Circle
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now