Como acontece o desenvolvimento? E depois?

 

 

Percebendo a importância do desenvolvimento na primeira infância, o segundo passo do guia do Center on the Developing Child de Harvard consiste num conjunto de evidências sobre como se processa o desenvolvimento. 

 

 

 

Nesse sentido, apresentam oito pontos essenciais sobre o desenvolvimento infantil que permitem compreendê-lo melhor, bem como informar e melhorar as políticas e práticas nesta área:

 

 

 

 

 

 

  1. Experiências adversas fetais e na primeira infância podem levar a ruturas físicas e químicas no cérebro que podem ter efeitos uma vida inteira. As mudanças biológicas associadas a essas experiências adversas podem afetar múltiplos sistemas e aumentar o risco de danos nas competências e aprendizagens da criança, mas também na sua saúde física e mental.

  2. O desenvolvimento é um processo altamente interativo, não sendo determinado só pelos genes. O ambiente em que a criança se desenvolve, tanto antes como após o nascimento, proporciona experiências que podem modificar quimicamente certos genes.

  3. Embora a vinculação aos pais seja primordial, as crianças também beneficiam das relações com outros cuidadores, dentro e fora da família. Relações com cuidadores sensíveis, responsivos, estimulantes e confiáveis podem contribuir para promover o desenvolvimento social e emocional das crianças. Por outro lado, instabilidade e interações de baixa qualidade com os cuidadores na primeira infância podem prejudicar o desenvolvimento da criança.

  4. Grande parte da arquitetura do cérebro é moldada durante os primeiros anos de vida da criança, mas a janela de oportunidade para o desenvolvimento da maioria dos domínios permanece aberta muito além dos 3 anos, e continuamos capazes de aprender maneiras de “contornar” impactos anteriores.

  5. A negligência severa pode representar uma ameaça tão grande, e possivelmente ainda maior, que o mau-trato físico para a saúde e desenvolvimento das crianças, embora muitas vezes receba menos atenção da sociedade. A ausência, ou inadequação, das interações bidirecionais da criança com os seus cuidadores pode ser altamente prejudicial para o cérebro em desenvolvimento.

  6. As crianças expostas à adversidade ou à violência não desenvolvem invariavelmente perturbações relacionadas com o stress, embora tenham um maior risco. Proporcionar relações de confiança e seguras com outros cuidadores e intervenções apropriadas pode ajudar a minimizar os efeitos da exposição à adversidade.

  7. A simples remoção de uma criança de um ambiente perigoso não reverte os impactos negativos dessa experiência, sendo essencial prestar cuidados de saúde com a maior brevidade possível, proporcionar ambientes que restaurem o sentimento de segurança, controlo e previsibilidade, e cuidados terapêuticos que facilitem a recuperação da criança.

  8. A capacidade da criança se adaptar e prosperar apesar da adversidade (i.e., a resiliência) tem uma influência biológica e genética, mas também relacional. A existência de relações de apoio e de várias oportunidades para desenvolver competências de coping eficazes, são essenciais para desenvolver a capacidade da criança para lidar com adversidades significativas.

 

Assim, nestes oito pontos conclui-se que o desenvolvimento é um processo interativo, determinado por genes e por experiências. Experiências adversas na infância, nomeadamente de negligência severa, podem ter impactos negativos uma vida inteira. No entanto, as janelas de oportunidade para o desenvolvimento não se fecham aos 3 anos, sendo possível minimizar impactos negativos e desenvolver a capacidade de resiliência da criança através de relações de apoio, confiáveis e seguras com outros cuidadores, de ambientes que restaurem o sentimento de segurança, controlo e previsibilidade, e de intervenções apropriadas

 

 

 

Traduzido e adaptado de Center on the Developing Child (2007). The Science of Early Childhood Development (InBrief). Retrieved from www.developingchild.harvard.edu.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

ser parte da história

SER PARTE DA HISTÓRIA é um serviço da associação Caminhos da Infância que tem como objetivo apoiar os pais e outros cuidadores, disponibilizando informação, aconselhamento e formação sobre parentalidade. 

Não se pretendem dar receitas (até porque não existem) mas sim informação e apoio para ajudar todos os cuidadores a ser parte de uma história que não se repete - a da infância. 

quem somos
associação
contactos
posts recentes
Please reload

arquivo
Please reload

quem somos

inês poeiras

  • Grey LinkedIn Icon

Presidente da Caminhos da Infância

francisca carneiro

  • Grey LinkedIn Icon

Diretora do Centro Infantil Maria de Monserratre

joana nunes patrício

  • Grey LinkedIn Icon

Coordenadora Ser Parte da História

Mais do que uma associação, somos um grupo a trabalhar para que a infância seja uma experiência feliz para todas as crianças.

Trabalhamos em parceria e juntamos a investigação à experiência, que é como quem diz,

andamos da teoria à prática e da prática à teoria.

Descobrimos que não se mudam comportamentos só com extensos artigos académicos ou grandes ações de formação.

Mudamos comportamentos quando estamos envolvidos. Quando somos parte da história. E isto fazemos bem.

Contactos

tlf. 21 136 85 14

caminhosdainfancia@gmail.com

Rua Margarida de Abreu, nº4, 1900-362, Lisboa

  • Facebook - White Circle
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now