Um abraço de família faz-nos crescer!

O que nos diz um abraço? O que nos faz sentir um abraço? Normalmente sabe bem dar e receber um abraço, em bons e maus momentos, talvez porque abraçar seja uma forma de transmitir afeto, seja em que contexto for: quando celebramos algo bom, quando nos cumprimentamos ou despedimos, quando sentimos saudades, quando aconchegamos, quando confortamos, ou simplesmente quando nos apetece...

Muitos estudos têm demonstrado a importância do afeto, por parte dos pais no desenvolvimento das crianças, em termos da sua autoestima, autoconfiança, identidade, do seu desenvolvimento psicológico, emocional, social e comportamental.

De facto, uma das principais dimensões da parentalidade é o afeto, é o ser caloroso (acarinhar, confortar, elogiar), transmitindo à criança a sensação de ser especialmente valorizada e aceite e proporcionar-lhe relações seguras, estáveis e afetuosas com adultos significativos, com sensibilidade e capacidade para responder de forma adequada às suas necessidades, incluindo as emocionais. O afeto traduz-se de várias formas, sendo que pode ser entendido como o grau em que os pais são sensíveis, aceitam, apoiam e respondem às necessidades dos filhos, seja de forma verbal (ex. um elogio, um encorajamento) ou não verbal (ex. um abraço, um beijinho, uma festa).

Nos primeiros meses de vida a criança não percebe o significado da palavra amor, mas absorve desde logo os sinais emocionais não verbais que os pais transmitem, desde a expressão facial, ao tom de voz, ao toque. Alguns estudos indicam que o contacto físico, por exemplo pelo abraço, é uma forma de estimulação importante para o desenvolvimento cognitivo da criança, para a sua felicidade, crescimento e saúde (devido à libertação de oxitocina), para o seu desenvolvimento e segurança emocional, para a sua capacidade de autorregulação e para fortalecer a relação pais-filhos. A literatura na área do desenvolvimento sugere mesmo que o toque, desde o colo ao abraço, desempenha um papel importante na própria formação da imagem corporal. Indica ainda que quando os pais exibem afetuosidade através de ações como abraçar e acarinhar influenciam o desenvolvimento das relações e do bem-estar emocional dos seus filhos.

A segurança de uma relação calorosa, responsiva e segura com os pais, e outros cuidadores, dá confiança às crianças para explorarem o mundo, e assim aprenderem e desenvolverem-se. Estas relações funcionam como fatores protetores em contextos de stress e dificuldades.

 

Por tudo isto, abraçar, acarinhar e demonstrar amor através de gestos e palavras faz-nos crescer!

 

Sugestões:

  • Interagir de forma gentil e afetuosa com os seus filhos, transmitindo amor, segurança e cuidado. Em parte, as crianças aprendem quem são pela forma como são tratadas.

  • Demonstrar os afetos através de palavras e gestos.

  • Nomear emoções, ajudando os seus filhos a compreenderem melhor os seus sentimentos e os sentimentos dos outros.

  • Encorajar os seus filhos a explorar, partilhando o entusiasmo pelas descobertas, estando disponível para os apoiar, e respondendo a necessidades de amor e conforto.

  • Através de interações, pequenas tarefas e brincadeiras, ajude os seus filhos a sentirem-se bem em relação si próprios e às suas competências, para que se sintam valorizados e para que desenvolvam a sua auto-confiança.

  • As famílias têm diferentes formas de mostrar os afetos, diferentes rituais. Dê muitos abraços de família, ou transmita afetos de outras formas, o importante mesmo é transmiti-los. 

  • É importante respeitar as necessidades e características individuais dos seus filhos, ajustando a forma como transmite este afeto às mesmas.

 

Nota: Caso tenha alguma preocupação deve consultar um especialista para avaliar a situação e recomendar a melhor forma de intervenção.

 

Traduzido e adaptado por Joana Nunes Patrício de Cole, 2012; Cox, 2008; Gupta, Gupta, Schork, & Watteel, 1995; Logan, 2006; www.parentingforbrain.com/children-hugging/

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

ser parte da história

SER PARTE DA HISTÓRIA é um serviço da associação Caminhos da Infância que tem como objetivo apoiar os pais e outros cuidadores, disponibilizando informação, aconselhamento e formação sobre parentalidade. 

Não se pretendem dar receitas (até porque não existem) mas sim informação e apoio para ajudar todos os cuidadores a ser parte de uma história que não se repete - a da infância. 

quem somos
associação
contactos
posts recentes
Please reload

arquivo
Please reload

quem somos

inês poeiras

  • Grey LinkedIn Icon

Presidente da Caminhos da Infância

francisca carneiro

  • Grey LinkedIn Icon

Diretora do Centro Infantil Maria de Monserratre

joana nunes patrício

  • Grey LinkedIn Icon

Coordenadora Ser Parte da História

Mais do que uma associação, somos um grupo a trabalhar para que a infância seja uma experiência feliz para todas as crianças.

Trabalhamos em parceria e juntamos a investigação à experiência, que é como quem diz,

andamos da teoria à prática e da prática à teoria.

Descobrimos que não se mudam comportamentos só com extensos artigos académicos ou grandes ações de formação.

Mudamos comportamentos quando estamos envolvidos. Quando somos parte da história. E isto fazemos bem.

Contactos

tlf. 21 136 85 14

caminhosdainfancia@gmail.com

Rua Margarida de Abreu, nº4, 1900-362, Lisboa

  • Facebook - White Circle
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now