Incentivar faz-nos crescer!

Quantas vezes enquanto adultos sentimos a necessidade de um incentivo, encorajamento, motivação e apoio dos que nos rodeiam? Imagine, então, a importância que estes mesmos incentivos terão nas crianças, que se estão a construir, a definir e a estruturar...

De facto, é importante sentirmos que somos capazes, que acreditam em nós, que nos apoiam. Os estudos no âmbito da teoria da autodeterminação indicam que existem três necessidades psicológicas inatas ao ser humano – competência, autonomia e vinculação aos outros – que, quando satisfeitas, contribuem para a auto-motivação, bem-estar e ajustamento social e psicológico. Pelo contrário, quando estas necessidades não são satisfeitas, geram menor motivação e bem-estar.

Desde que nascem, as crianças estão internamente motivadas para serem ativas, curiosas, para questionar e brincar, sendo que este interesse espontâneo para explorar é essencial ao desenvolvimento cognitivo e social. O contexto pode reforçar e promover esta motivação (ex. através de desafios, feedback, comunicação e incentivo positivos) ou diminui-la e desencorajar a criança (ex. através do criticismo, não aceitação, feedback negativo), nomeadamente através do efeito que isto tem na sua perceção de competência. Este sentimento de ser capaz, aliado a um sentido de autonomia e de autodeterminação (em que se permitem escolhas e iniciativas e em que se promovem os interesses da criança), aumenta a motivação da criança para uma série de questões. A investigação tem vindo a demonstrar que quando as pessoas são motivadas internamente têm mais interesse, prazer e confiança, melhores desempenhos, persistência e criatividade, autoestima e bem-estar. Já quando os pais são mais controladores e não suportam a autonomia dos filhos, estes tendem a ter menor motivação interna.

É também essencial que estas dinâmicas ocorram num contexto de relações e vinculações seguras, no qual as crianças sentem uma maior confiança em si mesmas e na exploração do mundo. Assim, um contexto que responda a estas necessidade de competência, autonomia e vinculação é essencial para a motivação, iniciativa, responsabilidade, ajustamento e bem-estar da criança.

Note-se que o incentivo e encorajamento devem reconhecer e promover sobretudo o esforço contínuo e a perseverança, e não os resultados. Desta forma, incentivar e encorajar pode fomentar a independência, a determinação e a confiança da criança nas suas capacidades.

Por tudo isto, incentivar, encorajar, apoiar e motivar faz-nos crescer!

 

Sugestões:

  • Dê atenção ao que os seus filhos fazem, a pequenos comportamentos que valoriza. É preciso ter algum cuidado para não cair no exagero de elogiar constantemente e indiscriminadamente. O elogio mais eficaz é o elogio genuíno e sincero, específico e descritivo, focado no comportamento e feito de modo positivo e imediato, que promove a motivação interna e a confiança da criança nas suas capacidades, o que a leva a persistir numa tarefa e a desafiar-se a si mesma.

  • Encoraje os seus filhos regularmente, tanto nas maiores conquistas, como nas atitudes e esforços diários, nos processos.

  • Encorajar passa por oferecer palavras de incentivo, por estar atento e disponível para ajudar, por fazer comentários positivos e específicos.

  • Dê aos seus filhos oportunidades para ajudarem e fazerem tarefas, em que possam assumir responsabilidade, levando-os a sentir-se orgulhosos, capazes e bem-sucedidos.

  • Deixe que os seus filhos liderem brincadeiras e apoie as suas iniciativas.

  • Dê apoio aos seus filhos para experimentarem coisas novas, mostre que acredita que são capazes.

  • Ajude os seus filhos a dar sentido ao mundo – a compreender e lidar com regras, a gerir desafios, problemas e conflitos; mostre-lhes como podem pensar e resolver problemas, por ex. modelando a forma como pensa em em voz alta.

  • Dê suporte, mas não resolva todos os problemas pelos seus filhos. Leve-os a pensar, pergunte o que eles acham, que soluções encontram, e como os pode ajudar, fazendo sugestões, se necessário. Deixe que os seus filhos percebam que, por vezes, também precisa de ajuda.

  • Encoraje amizades, oportunidades para os seus filhos brincarem e resolverem problemas com outras crianças, contribuindo para a sua autoestima e autoconfiança.

  • As crianças aprendem, em grande medida, através da prática: ajude-os em tarefas mais complexas, dividindo-as em passos mais simples, encorajando a autonomia e confiança.

  • Quando encoraja a criança, evite fazer elogios que envolvam ironia ou crítica, comparações, ou elogios fáceis e excessivos. Além de menos sinceros, tornam o elogio menos eficaz para encorajar a criança, podem fazer com que a criança espere sempre esse retorno externo e que sinta que falhou ou que não tem o mesmo valor quando não é elogiada. Podem ainda resultar numa grande pressão para a criança corresponder a expectativas desajustadas ou numa autoimagem irrealista e narcísica.

  • Lembre-se sempre que não existem receitas, cada criança tem características únicas e o nível e tipo de encorajamento que dá deve ser ajustado às necessidades e características dos seus filhos.

 

Adaptado de Brummelman, Thomaes, Nelemans, Castro, Overbeek, & Bushmane, 2015; Ryan & Deci, 2000; Webster-Stratton, 2010; Zero to Three, 2010.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

ser parte da história

SER PARTE DA HISTÓRIA é um serviço da associação Caminhos da Infância que tem como objetivo apoiar os pais e outros cuidadores, disponibilizando informação, aconselhamento e formação sobre parentalidade. 

Não se pretendem dar receitas (até porque não existem) mas sim informação e apoio para ajudar todos os cuidadores a ser parte de uma história que não se repete - a da infância. 

quem somos
associação
contactos
posts recentes
Please reload

arquivo
Please reload

quem somos

inês poeiras

  • Grey LinkedIn Icon

Presidente da Caminhos da Infância

francisca carneiro

  • Grey LinkedIn Icon

Diretora do Centro Infantil Maria de Monserratre

joana nunes patrício

  • Grey LinkedIn Icon

Coordenadora Ser Parte da História

Mais do que uma associação, somos um grupo a trabalhar para que a infância seja uma experiência feliz para todas as crianças.

Trabalhamos em parceria e juntamos a investigação à experiência, que é como quem diz,

andamos da teoria à prática e da prática à teoria.

Descobrimos que não se mudam comportamentos só com extensos artigos académicos ou grandes ações de formação.

Mudamos comportamentos quando estamos envolvidos. Quando somos parte da história. E isto fazemos bem.

Contactos

tlf. 21 136 85 14

caminhosdainfancia@gmail.com

Rua Margarida de Abreu, nº4, 1900-362, Lisboa

  • Facebook - White Circle
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now