Vem aí o Carnaval!

Na época do Carnaval, das máscaras e festas, por vezes surgem algumas questões sobre os medos das fantasias, ou o que fazer se a criança não se quiser mascarar.

As máscaras e fantasias podem ser um desafio para as crianças, sobretudo quando ainda têm alguma dificuldade em compreender e distinguir a aparência da realidade (ou seja, a máscara da pessoa que a usa). Por volta dos três/quatro anos as crianças usam cada vez mais a imaginação, mas ainda não entendem bem a diferença entre fantasia e realidade, o que pode aumentar os medos.

As crianças já desenvolveram uma imagem de como são as pessoas (com cabelo, dois olhos, nariz, boca, pescoço, tronco, membros) e o que não se assemelhe a uma figura humana ou familiar pode ser assustador para algumas. Imagine o palhaço, de cabelo roxo, pele branca brilhante, boca vermelha grande... por um lado parece uma pessoa por outro não. Esta incompatibilidade entre o que o palhaço parece e as expectativas da criança em relação às figuras humanas podem tornar essa situação assustadora e confusa. À medida que as crianças crescem e conseguem perceber e aceitar duas perspetivas ao mesmo tempo (ex. pode parecer um palhaço, mas na verdade é o meu primo), o medo de máscaras e fantasias normalmente desaparece.

Geralmente, as crianças a partir dos três/quatro anos gostam de se fantasiar e mascarar e de fazer brincadeiras de faz-de-conta. A brincadeira dramática é uma forma de conhecimento de si e dos outros, de interação social e apropriação de diferentes papéis (ex. seja fazer de mãe/pai, de médico/a, de super-herói/heroína, de princesa/príncipe, de algum animal...) e responsabilidades. O importante é respeitar as características e a vontade da criança. Umas adoram mascarar-se, fazer dramatizações, outras não ... se a criança não se quiser mascarar não há necessidade de pressionar, pode sempre levar a máscara na mochila e vesti-la mais tarde se tiver essa vontade.

 

Sugestões:

  • Forneça algumas máscaras/ fantasias para o seu filho brincar durante todo o ano - a brincadeira dramática é uma forma de desenvolver a imaginação e pensamento, de conhecer e testar o mundo, de contextualizar situações e moldar competências;

  • Crie uma caixa/cesto de adereços (ex. roupas, tecidos, chapéus, capas, varinhas...);

  • Responda com sensibilidade aos medos do seu filho, explique o que é real e a fingir, isto constrói confiança e segurança;

  • Envolva-se nestas brincadeiras simbólicas e de faz-de-conta, assuma também diferentes papéis – ex. brincar às escolas, representar diferentes profissões/personagens/papéis;

  • Proporcione o espaço, tempo, envolvimento e materiais necessários à brincadeira;

  • Aproveite os elementos do carnaval para brincar com o seu filho (lembre-se como o brincar o ajuda a desenvolver competências a todos os níveis – ex. pegar nos confettis, atirar uma serpentina, nomear as cores, revezar e partilhar...);

  • Sendo época de férias para muitos aproveite a alegria desta época e o tempo extra para brincar, para estar disponível, contribuindo para a qualidade da relação com os seus filhos.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

ser parte da história

SER PARTE DA HISTÓRIA é um serviço da associação Caminhos da Infância que tem como objetivo apoiar os pais e outros cuidadores, disponibilizando informação, aconselhamento e formação sobre parentalidade. 

Não se pretendem dar receitas (até porque não existem) mas sim informação e apoio para ajudar todos os cuidadores a ser parte de uma história que não se repete - a da infância. 

quem somos
associação
contactos
posts recentes
Please reload

arquivo
Please reload

quem somos

inês poeiras

  • Grey LinkedIn Icon

Presidente da Caminhos da Infância

francisca carneiro

  • Grey LinkedIn Icon

Diretora do Centro Infantil Maria de Monserratre

joana nunes patrício

  • Grey LinkedIn Icon

Coordenadora Ser Parte da História

Mais do que uma associação, somos um grupo a trabalhar para que a infância seja uma experiência feliz para todas as crianças.

Trabalhamos em parceria e juntamos a investigação à experiência, que é como quem diz,

andamos da teoria à prática e da prática à teoria.

Descobrimos que não se mudam comportamentos só com extensos artigos académicos ou grandes ações de formação.

Mudamos comportamentos quando estamos envolvidos. Quando somos parte da história. E isto fazemos bem.

Contactos

tlf. 21 136 85 14

caminhosdainfancia@gmail.com

Rua Margarida de Abreu, nº4, 1900-362, Lisboa

  • Facebook - White Circle
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now