Resolvemos problemas ou apenas sintomas?

25.01.2018

 

Confrontamo-nos, diariamente, com imensa informação. Notícias ao minuto. Mas o nosso entendimento do mundo - da nossa própria vida - parece ficar cada vez mais comprometido.

 

Trabalha-se mais do que a média da OCDE, mas a produtividade do nosso pais é menor.

As crianças passam infindáveis horas na escola, mas o governo propõe ajuda para que possam passar ainda mais tempo e aos fins de semana.

Surgem vozes a clamar para horários mais alargados de creches e jardins de infância. Será mesmo isto o que é preciso? Paramos para pensar e refletir sobre as necessidades do desenvolvimento infantil?

 

Os dados da OCDE são claros: em Portugal trabalha-se mais horas do que a média dos países da OCDE. Será que as exigências laborais não se podem coadunar com o bem-estar pessoal e familiar?

 

O professor Clayton Christensen no seu livro How Will You Measure Your Life? ajuda-nos a seguir um caminho de reflexão.

 

O nosso trabalho, as carreiras dão-nos uma evidência imediata de conquista: o vencimento ao fim do mês, o negócio fechado, a subida de categoria, etc. São retornos tangíveis e imediatos.

 

E os investimentos na família? não é preciso estar muito atento para percebermos que não há qualquer hipótese de retorno tangível durante muito tempo… Aliás, os custos até são enormes: as crianças choram, têm que ser alimentadas, vestidas, e depois portam-se mal uma e outra e outra vez… até à exaustão!

 

Mas, quando confrontamos alguém sobre o que é mais importante na sua vida, e porque é que trabalha tanto, a grande maioria irá responder: a família, os filhos... E então vem o paradoxo: se é a família e os filhos, porque perdemos tanto tempo com outras coisas? Porque não organizamos as nossas prioridades?

 

As crianças, o que querem mesmo é acordar com os pais, brincar com os pais, pôr a mesa com os pais, jantar com os pais, adormecer com os pais, ESTAR com os pais.

 

Não podemos sucumbir sem questionar as exigências, às vezes totalmente absurdas, que a sociedade nos impõe.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: https://data.oecd.org/emp/hours-worked.htm

*OECD (2018), Hours worked (indicator). doi: 10.1787/47be1c78-en (acesso em 23 janeiro 2018)

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

ser parte da história

SER PARTE DA HISTÓRIA é um serviço da associação Caminhos da Infância que tem como objetivo apoiar os pais e outros cuidadores, disponibilizando informação, aconselhamento e formação sobre parentalidade. 

Não se pretendem dar receitas (até porque não existem) mas sim informação e apoio para ajudar todos os cuidadores a ser parte de uma história que não se repete - a da infância. 

quem somos
associação
contactos
posts recentes
Please reload

arquivo
Please reload

quem somos

inês poeiras

  • Grey LinkedIn Icon

Presidente da Caminhos da Infância

francisca carneiro

  • Grey LinkedIn Icon

Diretora do Centro Infantil Maria de Monserratre

joana nunes patrício

  • Grey LinkedIn Icon

Coordenadora Ser Parte da História

Mais do que uma associação, somos um grupo a trabalhar para que a infância seja uma experiência feliz para todas as crianças.

Trabalhamos em parceria e juntamos a investigação à experiência, que é como quem diz,

andamos da teoria à prática e da prática à teoria.

Descobrimos que não se mudam comportamentos só com extensos artigos académicos ou grandes ações de formação.

Mudamos comportamentos quando estamos envolvidos. Quando somos parte da história. E isto fazemos bem.

Contactos

tlf. 21 136 85 14

caminhosdainfancia@gmail.com

Rua Margarida de Abreu, nº4, 1900-362, Lisboa

  • Facebook - White Circle
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now