Quem não come por ter comido, não sofre de doença de perigo


A hora da refeição deveria ser um momento de partilha e descontração. Mas o dia a dia, principalmente para quem tem filhos pequenos, torna tudo um bocadinho mais difícil.

No meio do cansaço, os pais acabam por ceder à vontade dos filhos. Negoceiam brócolos por rebuçados, espinafres por chocolates… quando há uns tempos ainda aparecia o Popeye a ajudar os pais!

O stress não deixa ver que muitas vezes as crianças ficam saciadas com pouco e que estão a experimentar texturas e sabores novos para os quais precisam de tempo para se habituarem ao paladar e lhes ter gosto. É sabido que deve encorajar-se a persistência na oferta alimentar, no mínimo 10 a 15 tentativas por alimento!

Sugestão II: Com filhos pequeninos, e que jantam mais cedo, coma pelo menos a sopa com eles, (a partir de um ano de idade as crianças devem comer a mesma refeição preparada para toda a família), enquanto vão sabendo as novidades do dia. E vá repetindo o programa nos dias seguintes. (Nunca esquecendo que não é na adolescência que eles começam a conversar!)

Em colaboração com Equipa de Investigação CIS-IUL

#alimentação #rotina #cimm #hábitosalimentares

39 visualizações

Contacte-nos:

caminhosdainfancia@gmail.com

Tel.: 21 136 85 14

Caminhos da Infância

Rua margarida de abreu, n.º4

1900 - 314 Lisboa

© 2013
 Proudly made by Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now